logo

Termo(s) de pesquisa:
OR_Lindinalva Silva Oliveira Rubim []
Registros encontrados:
página 1 de 1


1 / 6
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: LIMA, Marise da Silva Urbano

Título: As personagens femininas em Cláudio Assis: um cineasta de excessos

Orientador: Lindinalva Silva Oliveira Rubim

Universidade: Universidade Federal da Bahia

Instituição/Programa: Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos - Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade

Grau: Mestrado

Data de defesa: 05.09.2018

AutorLIMA, Marise da Silva Urbano
TítuloAs personagens femininas em Cláudio Assis: um cineasta de excessos
OrientadorLindinalva Silva Oliveira Rubim
UniversidadeUniversidade Federal da Bahia - Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Salvador
Instituição/ProgramaPrograma Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade
GrauMestrado
Data de entrega2018
Data de defesa05.09.2018
Descrição físicav.1; 131 f.; ilustrado com 162 imagens.
DisponibilidadeBiblioteca Central Ufba
Fonterepositorio.ufba.br
ResumoEsta dissertação busca analisar as personagens femininas, construídas por Claudio Assis, na trilogia composta pelos filmes: Amarelo Manga (2002), Baixio das Bestas (2006) e Febre do Rato (2011). O estudo faz uma análise das seis personagens femininas destes filmes que consideramos mais significativas a partir do lugar que ocupam nas narrativas em questão. São elas Lígia e Kika, Auxiliadora e Dora, Vanessa e Eneida. Com a análise dessas personagens, tanto na perspectiva do conteúdo quanto da forma, pretendemos compreender como as arquiteturas fílmicas desse cineasta, apresenta as personagens femininas no seu cinema, um instrumento histórico de comunicação que, no geral, tem reproduzido as personagens femininas, perpassadas por estereótipos vinculados a sociedade patriarcal.
ObservaçãoAnexo com as fichas técnicas dos filmes.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



2 / 6
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: MESSIAS, Ana Regina

Título: Um olhar sobre a mulher idosa em narrativas fílmicas brasileiras

Orientador: Lindinalva Silva Oliveira Rubim

Universidade: Universidade Federal da Bahia

Instituição/Programa: - Programa de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade

Grau: Mestrado

Data de defesa: 14.02.2012

AutorMESSIAS, Ana Regina
TítuloUm olhar sobre a mulher idosa em narrativas fílmicas brasileiras
OrientadorLindinalva Silva Oliveira Rubim
UniversidadeUniversidade Federal da Bahia, Salvador
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade
GrauMestrado
Data de entrega2011
Data de defesa14.02.2012
Descrição físicav.1; 142 f.; Ilustrado com cartazes dos filmes analisados.
DisponibilidadeBiblioteca Central UFBa.
Fonteufba.br
ResumoEste estudo trata de um dos grandes acontecimentos mundiais que é o envelhecimento populacional. [...] Pretende-se, [...] refletir sobre o envelhecimento na sociedade contemporânea, particularmente no Brasil, por meio da análise crítica de filmes nacionais, sobre a representação da mulher idosa, retratada na produção cinematográfica recente, tomando em consideração a importância da produção imagética em nossos dias, tendo como base as imagens construídas nas obras: Central do Brasil (1998), Copacabana (2001), Depois daquele baile (2005), O outro lado da rua (2004), uma vez que o cinema é um meio de comunicação, considerado sinônimo de mídia e difusor de ideias e imagens, que contribui como mais uma estratégia que ajuda os indivíduos a compreender os comportamentos e modelos sociais construídos culturalmente. [...] conclui-se que os filmes sobre velhice realmente contribuem e contribuirão para a divulgação e discussão do tema, pois há, sim, um lugar para o idoso, em particular a mulher idosa, no mundo contemporâneo, independentemente da beleza, aparência corpórea ou idade cronológica, as idosas dos filmes - como foi visto, ao longo do estudo, ora apresentado, seja como afeição, atração, paixão, querer bem, satisfação, conquista, desejo, ou na busca da formação de um vínculo emocional com alguém e, ainda, na descoberta de como é fácil ser feliz, do valor do carinho, do sorriso, de um gesto limpo de caráter - vivem o amor, a afetividade, a sexualidade.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



3 / 6
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: FARIA, Marina Sartório

Título: A participação feminina na direção do cinema documentário brasileiro

Orientador: Lindinalva Silva Oliveira Rubim

Universidade: Universidade Federal da Bahia

Instituição/Programa: - Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade

Grau: Mestrado

Data de defesa: 05.09.2013

AutorFARIA, Marina Sartório
TítuloA participação feminina na direção do cinema documentário brasileiro
OrientadorLindinalva Silva Oliveira Rubim
UniversidadeUniversidade Federal da Bahia, Salvador
Instituição/ProgramaPrograma Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade
Abragência do estudo2007-2011
GrauMestrado
Data de entrega2013
Data de defesa05.09.2013
Descrição físicav.1; 129 f.
DisponibilidadeBiblioteca Central UFBa
Fonteufba.br
ResumoPartindo do pressuposto de que o cinema é um campo altamente masculinizado, onde a mulher se encontra em uma condição de desigualdade em relação aos homens, essa dissertação buscou investigar a participação da mulher na produção do cinema documentário brasileiro, enquanto diretora. Para isso foram selecionados cinco festivais de cinema, um por região brasileira. A partir dessa seleção, foram catalogados os documentários exibidos nesses festivais em um período de cinco anos (2007-2011), dando ênfase àqueles dirigidos por mulheres. Os dados coletados foram analisados através das teorias de gênero e identidade, tendo como apoio metodológico análises estatísticas uni e multivariadas. No sentido de alcançar os objetivos propostos, buscamos respaldo no conceito de público e privado, principalmente a partir dos estudos de Hanna Arendt e Jürgen Habermas, investigando de que forma a mulher rompe com as barreiras do privado para alcançar a esfera pública, bem como as teorias do documentário, a partir de Fernão Ramos e Consuelo Lins. Com o intuito de compreender a relação que se estabelece entre as diretoras, suas trajetórias de vida e seus filmes, buscamos embasamento em autores como Gilles Lipovetsky, Ann Kaplan e Ana Alice Costa.
Observação12 anexos com gráficos.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



4 / 6
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: SANTOS, Dalila Carla dos

Título: Na trilha do cangaço: as representações das relações de gênero nos filmes Corisco e Dadá e Baile perfumado

Orientador: Lindinalva Silva Oliveira Rubim

Universidade: Universidade Federal da Bahia

Instituição/Programa: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas - Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo

Grau: Mestrado

Data de defesa: 01.03.2012

AutorSANTOS, Dalila Carla dos
TítuloNa trilha do cangaço: as representações das relações de gênero nos filmes Corisco e Dadá e Baile perfumado
OrientadorLindinalva Silva Oliveira Rubim
UniversidadeUniversidade Federal da Bahia - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo
GrauMestrado
Data de entrega2012
Data de defesa01.03.2012
Descrição físicav.1; 113 f.
DisponibilidadeBiblioteca Central UFBa
Fontecapes.gov.br / repositorio.ufba.br
ResumoO cinema brasileiro é admirador do movimento do cangaço a décadas. Muitas são as narrativas em que este tema e seus personagens são centrais. A maioria dos filmes traz os homens como protagonistas destes filmes, o que não significa que não aja espaço para as mulheres. O presente estudo buscou mostrar como os filmes Corisco e Dadá (1996) e Baile Perfumado (1997) fogem à regra desta representação do cangaço como um movimento de participação exclusiva de homens.[...]. As análises mostraram que existem quebras nos padrões patriarcais e machistas vivenciadas no contexto da época destas histórias, décadas de 1920 e 1930, em produções realizadas na década em 1990, no chamado "Cinema da Retomada". Além disso, buscou-se avaliar como as identidades destes personagens foram construídas nos filmes. Para tanto, este estudo lançou mão dos estudos feministas, embasado principalmente nas discussões sobre patriarcado e gênero; e da teoria das representações sociais. Assim, foi possível concluir que o cinema nacional é uma ferramenta de diminuição das tensões referentes aos papéis e relações de gênero, possibilitando a aparição de outras linhas de representações e construções de identidades dos seus personagens. Nas películas que serviram de corpus deste estudo, vemos os cangaceiros e cangaceiras também como homens e mulheres, constituídos de sentimentos como afeto, amizade, companheirismo. Podemos enxergar estas personalidades sem as armaduras de guerreiros, visualizar os seres humanos por debaixo dos bornais e armas.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



5 / 6
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: LINS, Alexandre Sócrates de Almeida

Título: A Amazônia no cinema paraense: tensôes entre o global e o local

Orientador: Lindinalva Silva Oliveira Rubim

Universidade: Universidade Federal da Bahia

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicação Social - Mestrado em Cultura e Sociedade

Grau: Mestrado

Data de defesa: 01.04.2007

AutorLINS, Alexandre Sócrates de Almeida
TítuloA Amazônia no cinema paraense: tensôes entre o global e o local
OrientadorLindinalva Silva Oliveira Rubim
UniversidadeUniversidade Federal da Bahia - Faculdade de Comunicação Social, Salvador
Instituição/ProgramaMestrado em Cultura e Sociedade
GrauMestrado
Data de entrega2007
Data de defesa01.04.2007
Descrição físicav.1; 197 f.
DisponibilidadeBiblioteca Central UFBa
Fontecapes.gov.br / ufba.br
ResumoEsse trabalho busca refletir sobre o que se convencionou chamar de identidade amazônica no Pará, através da produção cultural local recente. O estudo objetiva evidenciar a dimensão social e agonística dos múltiplos discursos elaborados no processo de constituição da idéia de região amazônica. A análise dos filmes - "Chama Verequete" (2002) de Luiz Aranaldo Campos e Rogério Parreira, "Açai com Jabá" (2202), de Alan Rodrigues, Marcos Daibes e Waleriano Duarte e "Dezembro" (2003), de Fernando Segtowick - constatou que suas narrativas, além de estabelecerem relações com o discurso hegemônico, que identifica a cultura cabocla como a mais representativa do Estado e da região, também refletem as tensões entre o local e as práticas globalizadas contemporâneas. Para pensar a cultura como expressão de disputas por poder nos utilizamos das contribuições de autores como Michel Foucault, Mikhail Bakhtin, H. Bhabha, Renato Ortiz, João de Jesus Paes Loureiro, entre outros.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



6 / 6
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: NASCIMENTO, Alberto Freire

Título: As representações do sertão no cinema da retomada

Orientador: Lindinalva Silva Oliveira Rubim

Universidade: Universidade Federal da Bahia

Grau: Mestrado

Data de defesa: 12.02.2004

AutorNASCIMENTO, Alberto Freire
TítuloAs representações do sertão no cinema da retomada
OrientadorLindinalva Silva Oliveira Rubim
UniversidadeUniversidade Federal da Bahia - Faculdade de Comunicação, Salvador
Abragência do estudo1996-2000
GrauMestrado
Data de entrega2004
Data de defesa12.02.2004
Descrição físicav.1; 102 f.
DisponibilidadeBiblioteca Central UFBa
Fonteposcom.ufba.br / capes.gov.br
ResumoA expressão Cinema da retomada refere-se ao contemporâneo ciclo do cinema brasileiro, surgido nos anos 90. A retomada apresenta uma característica particular que é a reinserção do sertão nordestino como palco dramático das narrativas. É um retorno do cinema ao sertão através da diversidade de temas e representações da cultura nordestina. O presente trabalho tem por objetivo analisar esses filmes, sem a pretensão de cobrir todas as obras do ciclo, mas refletir sobre as representações do sertão nas obras escolhidas, num recorte temporal que vai de 1996 até o ano 2000. Os filmes foram selecionados com a intenção de apreender as representações sertanejas do passado, e também do presente nas narrativas dramáticas sobre o indivíduo no contemporâneo. As análises referem-se aos seguintes filmes: Corisco e Dadá (Rosemberg Cariry, 1996), O Cangaceiro (Aníbal Massaini, 1997), Baile perfumado (Paulo Caldas e Lírio Ferreira, 1997), Central do Brasil (Walter Salles, 1998) e Eu tu eles (Andrucha Waddington, 2000).



página 1 de 1

Banco de teses sobre Cinema Brasileiro

   
Pesquisar (apenas um termo por linha):
no campo:
 
1     
2   
3