logo

Termo(s) de pesquisa:
OR_Carlos Gerbase []
Registros encontrados:
página 1 de 2
ir para página        


1 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: REQUE, Cristiane Scheffer

Título: Novos processos de realização e circulação no longa-metragem brasileiro Castanha

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicação Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 2017

AutorREQUE, Cristiane Scheffer
TítuloNovos processos de realização e circulação no longa-metragem brasileiro Castanha
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Comunicação Social, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
GrauMestrado
Data de entrega2017
Data de defesa2017
Descrição físicav.1; 154 f.; Ilustrado com 5 imagens, 5 gráficos e 8 tabelas.
DisponibilidadeBiblioteca Central PUCRS
Fontepucrs.br
ResumoEsta dissertação estuda o mercado audiovisual brasileiro de 2012 a 2015, a partir de relações estabelecidas entre diferentes formas de realização e circulação de filmes nacionais. Tomando como objeto principal o processo para realização da obra Castanha (Davi Pretto, RS, 2014), a proposta é analisar cada uma de suas fases ao lado de outro filme contemporâneo, porém com características originárias diversas tais como experiência do diretor, dimensão do orçamento, construção do roteiro e localização regional no Brasil. As referências seguem diretrizes a partir do método da tríade (BARONE, 2009), que define o ambiente audiovisual através de suas principais atividades: produção, distribuição e exibição. A construção da análise ocorre a partir da perspectiva do fato cinematográfico (COHEN-SÉAT, 1946; METZ, 1980), observando aspectos relacionados ao que acontece antes, durante e depois do filme, de seu encontro com o público. O objetivo principal é observar elementos da produção de Castanha junto à produção do filme Flores raras (Bruno Barreto, RJ, 2013), seu trabalho de distribuição junto ao de Febre do rato (Cláudio Assis, PE, 2012), e sua exibição alinhada ao percurso realizado por Que horas ela volta? (Anna Muylaert, SP, 2015), e desta análise perceber assimetrias e semelhanças na realização e circulação de longas-metragens nacionais recentes. [...]
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



2 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: TIETZMANN, Roberto

Título: Efeitos visuais como elementos de construção de narrativa cinematográfica em King Kong

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicação Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Doutorado

Data de defesa: 2010

AutorTIETZMANN, Roberto
TítuloEfeitos visuais como elementos de construção de narrativa cinematográfica em King Kong
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Comunicação Social, Porto Alegre, 2010
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
GrauDoutorado
Data de entrega2010
Data de defesa2010
Descrição físicav.1; 475 f.
DisponibilidadeBiblioteca PUCRS
Fontebiblioteca.pucrs.br
ResumoEsta tese busca recuperar o papel dos efeitos visuais como algo intrínseco à elaboração da linguagem cinematográfica. Embora a direção e a montagem se tenham se consolidado como as portadoras da enunciação fílmica foi com efeitos visuais que o cinema encontrou uma de suas primeiras especificidades subordinada posteriormente à narrativa. Estudaremos a relação entre efeitos visuais e a montagem a partir das três versões do filme King Kong (1933, 1976 e 2005) discutindo as alterações de parte a parte e estabelecendo uma crítica da onipotência da técnica observando relações de rupturas e continuidades presentes desde o primeiro filme.



3 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: SILVA, Ivana Almeida

Título: Rosto cinematográfico: aproximações do sofrimento na contemporaneidade

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: - Doutorado em Comunicação Social

Grau: Doutorado

Data de defesa: 2014

AutorSILVA, Ivana Almeida
TítuloRosto cinematográfico: aproximações do sofrimento na contemporaneidade
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014
Instituição/ProgramaDoutorado em Comunicação Social
GrauDoutorado
Data de defesa2014



4 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: SANTOS, Hilário Júnior dos

Título: O cinema pseudoamador como expressão da cultura da mobilidade

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: - Faculdade de Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 2011

AutorSANTOS, Hilário Júnior dos
TítuloO cinema pseudoamador como expressão da cultura da mobilidade
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011
Instituição/ProgramaFaculdade de Comunicação Social
GrauMestrado
Data de defesa2011



5 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: SANGUINÉ, Milene Gomes Sacco

Título: Expressões do inferno e tecnologias do imaginário: De Dante a Godard

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: - Faculdade de Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 2008

AutorSANGUINÉ, Milene Gomes Sacco
TítuloExpressões do inferno e tecnologias do imaginário: De Dante a Godard
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008
Instituição/ProgramaFaculdade de Comunicação Social
GrauMestrado
Data de defesa2008



6 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: OSÓRIO, Moreno Cruz

Título: Maria Antonieta: uma abordagem cinematográfica do indivíduo contemporâneo

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 2013

AutorOSÓRIO, Moreno Cruz
TítuloMaria Antonieta: uma abordagem cinematográfica do indivíduo contemporâneo
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
GrauMestrado
Data de defesa2013



7 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: MORENO, Vicente Nunes

Título: Para além do olhar: o ponto de vista no filme A Mulher sem cabeça

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade dos Meios de Comunicação Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 2015

AutorMORENO, Vicente Nunes
TítuloPara além do olhar: o ponto de vista no filme A Mulher sem cabeça
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade dos Meios de Comunicação Social, Porto Alegre, 2015
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
GrauMestrado
Data de entrega2015
Data de defesa2015
Descrição físicav.1; 150 f.; Ilustrado com 55 imagens.
DisponibilidadeBiblioteca Central PUCRS
ResumoEssa dissertação tem por objetivo mapear o debate acerca do ponto de vista no cinema a partir de uma perspectiva narratológica genettiana, definindo os agentes responsáveis pela narrativa, bem como suas formas de modulação subjetiva — em especial o trinômio ocularização, auricularização e focalização. Os conceitos mapeados são então aplicados na análise de A Mulher Sem Cabeça (La Mujer Sin Cabeza, Lucrecia Martel, 2008), procurando entender as estratégias narrativas empregadas no filme (mise en scène, mise en cadre, mise en chaîne) para alcançar uma subjetivação atípica da diegese.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



8 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: CASSALES, Lucas Pereira

Título: A representação do mal-estar líquido no cinema de Michael Haneke

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicação Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 2015

AutorCASSALES, Lucas Pereira
TítuloA representação do mal-estar líquido no cinema de Michael Haneke
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Comunicação Social, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
GrauMestrado
Data de entrega2015
Data de defesa2015
Descrição físicav.1; 149 f.; ilustrado com 29 imagens mais um quadro.
DisponibilidadeBiblioteca Central PUCRS
Fonterepositorio.pucrs.br
ResumoEsta dissertação analisa a obra do diretor austríaco Michael Haneke, posicionando-a como uma representação cinematográfica do mal-estar líquido. Para isso, em um primeiro momento, faz um levantamento histórico e social a respeito dos elementos que compõem o mal-estar líquido. Posteriormente, estuda seus conceitos formadores, através do trabalho de Jean Baudrillard e, principalmente, da teoria líquida de Zygmunt Bauman, caracterizando o mal-estar líquido a partir dessas teorias. Em seguida, traz a figura de Haneke como autor, para possibilitar a utilização de sua cinematografia em termos de representação filmográfica do mal-estar líquido. Como um modelo metodológico de análise, se baseia em Aumont e Dubois para criar um método híbrido de análise mais ensaística e fluida: a análise narrativa. Apoiada nesta progressão, parte para a análise dos dois primeiros longas-metragens de Haneke lançados comercialmente em salas de exibição, sendo eles O sétimo continente (1989) e O vídeo de Benny (1992), com o intuito de demonstrar suas hipóteses.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



9 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: RUY, Karine dos Santos

Título: Um longa na cabeça e (bem) menos de R$ 1 milhão na conta: estudo sobre a produção e a circulação do cinema de baixo orçamento no Rio Grande do Sul

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicação Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Doutorado

Data de defesa: 26.04.2016

AutorRUY, Karine dos Santos
TítuloUm longa na cabeça e (bem) menos de R$ 1 milhão na conta: estudo sobre a produção e a circulação do cinema de baixo orçamento no Rio Grande do Sul
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Comunicação Social, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
Abragência do estudo2011-2015
GrauDoutorado
Data de entrega2016
Data de defesa26.04.2016
Descrição físicav.1; 261 f.; Ilustrado com 37 tabelas, 31 gráficos e 18 imagens de filmes.
DisponibilidadeBiblioteca PUCRS
Fontetede.pucrs.br
ResumoEsta tese tem como linha de investigação central o cinema de baixo orçamento brasileiro. Como recorte para a análise, selecionamos sete longas-metragens (A última estrada da praia, Castanha, Dromedário no Asfalto, Sobre sete ondas verdes espumantes, Morro do Céu, Menos que Nada e O Liberdade) realizados no Rio Grande do Sul e lançados comercialmente entre 2011 e 2015. A pesquisa entende como cinema de baixo orçamento os filmes de longa-metragem com custo máximo de R$ 1 milhão. Esse recorte foi estipulado a partir de faixas orçamentárias abrangidas por políticas públicas de fomento ao cinema, em especial o edital para Longas de Baixo Orçamento da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura (Minc). O trabalho procura entender quais os modos de produção e circulação específicos dos filmes de baixo orçamento, em especial aqueles apreendidos pelo corpus da análise. Nesse processo, partimos de uma contextualização teórica baseada nos aportes dos estudos de economia da cultura, da economia do cinema e do cinema brasileiro, assim como de mapeamentos de políticas públicas de fomento ao setor e dados mercadológicos que nos permitiram elaborar o panorama no qual está inserido o cinema de baixo orçamento do Rio Grande do Sul. Para o estudo dos filmes selecionados, utilizamos entrevistas presenciais semi-estruturadas com os realizadores, as quais nos permitiram acessar as memórias de produção dos filmes e informações significativas para a compreensão da prática do cinema de baixo orçamento em um contexto regional. [...]
ObservaçãoAnexo I-Roteiro de entrevista (p.256); Anexo II-Termo de consentimento de uso (p.257); Anexo III-Tabela com filmes produzidos no RS (p.258-60).
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



10 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: OLIVEIRA, Germano Teixeira de

Título: Potências do olhar em cena: montagem e sensorialidade no cinema

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicação Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 19.04.2016

AutorOLIVEIRA, Germano Teixeira de
TítuloPotências do olhar em cena: montagem e sensorialidade no cinema
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Comunicação Social, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
Abragência do estudo1994-2016
GrauMestrado
Data de entrega2016
Data de defesa19.04.2016
Descrição físicav.1; 115 f.; Ilustrado com 29 imagens de filmes.
DisponibilidadeBiblioteca PUCRS
Fontetede2.pucrs.br
ResumoO objetivo dessa pesquisa é a aproximação de potências envolvidas no olhar filmado no cinema, buscando compreendê-las sob à luz da análise de seu aspecto de presentificação – a partir dos estudos do teórico alemão Hans Ulrich Gumbrecht. O ato de olhar será analisado em sua capacidade de motivar a articulação das categorias de tempo e espaço, através do processo de montagem, em sequências selecionadas de filmes produzidos entre os anos 1994 e 2016, que exemplifiquem determinadas construções dessas categorias em cena. A escolha desse recorte se dá por uma decorrência natural de um maior número de encenações sensoriais por parte do cinema após o gradual esgotamento de uma tendência maneirista, ao final da década de 80.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



11 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: WITTMAN, Leonardo Josef Schifino

Título: Mãos de concreto

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade de Letras - Programa de Pós-Graduação em Letras

Grau: Mestrado

Data de defesa: 08.01.2014

AutorWITTMAN, Leonardo Josef Schifino
TítuloMãos de concreto
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Letras, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Letras
GrauMestrado
Data de entrega2013
Data de defesa08.01.2014
Descrição físicav.1; 37 f.
DisponibilidadeBiblioteca PUCRS
Fontetede.pucrs.br
ResumoMãos de concreto, título da dissertação aqui apresentada, em forma de roteiro cinematográfico e inserida na área de concentração em Escrita Criativa, trata da deambulação constante de seu personagem principal, nomeado apenas de “Goleiro”. Ao longo de sua jornada, o herói, além de tentar controlar as misteriosas habilidades psíquicas que possui, busca uma reaproximação com seu filho André. Para cumprir tais objetivos, o protagonista deve passar por obstáculos como, por exemplo, o enfrentamento com Heitor, padrasto de André. Além disso, tem a necessidade, após abandonar a carreira futebolística, de encontrar um novo objetivo para sua vida. A narrativa elege diferentes cidades interioranas, nunca nomeadas, como principal cenário para o desenvolvimento da trama. Enquanto alguns personagens servem de mentores para o Goleiro – como é o caso do seu pai, Paulo –, outros estabelecem um jogo de tensão contra o mesmo. Adicionado ao texto narrativo, o trabalho aqui exposto traz, ainda, um breve ensaio sobre o processo de criação do roteiro, focando em questões como a escolha do título, o uso de elementos fantásticos e a emoção como propulsor da escrita, entre outras.
ObservaçãoTrês anexos (p.25-37).
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



12 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: RASLAN, Eliane Meire Soares

Título: Disseram que voltei americanizada: a construção da imagem de Carmen Miranda pelos meios de comunicação

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicaçao Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Doutorado

Data de defesa: 02.05.2014

AutorRASLAN, Eliane Meire Soares
TítuloDisseram que voltei americanizada: a construção da imagem de Carmen Miranda pelos meios de comunicação
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Comunicaçao Social, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
GrauDoutorado
Data de entrega2014
Data de defesa02.05.2014
Descrição físicav.1; 231 f.; Ilustrado com 159 imagens.
DisponibilidadeBiblioteca PUCRS
Fontetede.pucrs.br
ResumoAnalisamos nesta tese a construção da imagem da atriz e cantora Carmen Miranda, principalmente pela indústria cinematográfica, e como essa artista, por sua vez, influenciou as atitudes e os costumes de algumas populações, sobretudo, dos brasileiros e norte-americanos. O método da Análise de Discurso foi usado ao avaliarmos a imagem de Carmen Miranda nos diversos meios de comunicação existentes, destacando sua ligação com o cinema de Hollywood, entre os anos 40 e 50, especialmente no que se refere à construção da identidade cultural. Para complementar a Análise do Discurso, utilizamos o uso da Hermenêutica de Profundidade, com o objetivo de entender como foram gerados símbolos diferenciados entre populações distintas diante de uma mesma imagem. Verificamos, ainda, a linguagem simbólica e a representatividade associadas à figura da atriz para sustentar a ideia de manipulação audiovisual, pelo cinema, tanto dos espectadores latino-americanos quanto dos norte-americanos. [...]
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



13 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: VARGAS, Gilka Padilha de

Título: Direção de arte: um estudo sobre a contribuição na construção dos personagens Ligia, Kika e Wellington do filme Amarelo manga

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicação Social - Mestrado em Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 2014

AutorVARGAS, Gilka Padilha de
TítuloDireção de arte: um estudo sobre a contribuição na construção dos personagens Ligia, Kika e Wellington do filme Amarelo manga
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Comunicação Social, Porto Alegre
Instituição/ProgramaMestrado em Comunicação Social
GrauMestrado
Data de entrega2014
Data de defesa2014
Descrição físicav.1; 212 f.; ilustrado com 78 imagens.
DisponibilidadeBiblioteca Central PUCRS
Fontetede2.pucrs.br
ResumoA presente dissertação aborda o trabalho da direção de arte enfocando sua contribuição na construção do personagem cinematográfico. Tem como corpus as cenas de apresentação dos personagens Lígia, Kika e Wellington do filme Amarelo manga (Cláudio Assis, 2003, Brasil). Trata da participação da direção de arte no processo de transposição do personagem, escrito e descrito, e de seu universo para a imagem cinematográfica. Apresenta a direção de arte como responsável pela concepção da materialidade necessária para estabelecer a visualidade do personagem e de seu entorno. Assinala a importância de selecionar e relacionar estrategicamente as informações visuais contidas em seus elementos de trabalho a fim de proporcionar indícios que contribuirão para revelar vários aspectos do personagem.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



14 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: VARGAS, Gilson Padilha de

Título: Direção de atores no cinema brasileiro realizado no Rio Grande do Sul

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicação Social - Faculdade de Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 01.07.2012

AutorVARGAS, Gilson Padilha de
TítuloDireção de atores no cinema brasileiro realizado no Rio Grande do Sul
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Comunicação Social, Porto Alegre
Instituição/ProgramaFaculdade de Comunicação Social
GrauMestrado
Data de entrega2012
Data de defesa01.07.2012
Descrição físicav.1; 131 f.
DisponibilidadeBiblioteca Central PUCRS
Fontecapes.gov.br / tede2.pucrs.br
ResumoO presente texto aborda a questão da direção de atores para cinema, com dois vetores de corte: o parâmetro temporal, priorizando a análise da questão e seus desdobramentos após o período da chamada Retomada do Cinema Brasileiro até o momento atual e o parâmetro regional, priorizando e focando a problematização do tema no estado do Rio Grande do Sul. Para tanto, foram entrevistados cinco dos mais ativos diretores brasileiros sediados no Rio Grande do Sul, não obstante o apoio teórico de autores como Jean-Jacques Roubine, Richard Boleslavski e Constantin Stanislávski. O trabalho inicia com uma introdução, que explana as motivações do autor na incursão ao tema; em seguida, faz abordagem sobre a busca pela verdade em cena, apanágio secular do ator; estabelece uma abordagem sobre a relação do diretor com o ator no cinema; refere a pragmática do diretor no processo de direção de atores e passa ao recorte local no capítulo sobre diretores e espaço de trabalho e encerra com considerações finais.
ObservaçãoTambém aparece como defendida em 1.8.2012.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



15 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: BUNDT, Roger Luiz da Cunha

Título: Cinema, Mercado e política cultural: os casos do Brasil e México numa visão histórico estrutural

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicação Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Doutorado

Data de defesa: 30.03.2011

AutorBUNDT, Roger Luiz da Cunha
TítuloCinema, Mercado e política cultural: os casos do Brasil e México numa visão histórico estrutural
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Comunicação Social, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
GrauDoutorado
Data de entrega2011
Data de defesa30.03.2011
Descrição físicav.1; 246 f.
DisponibilidadeBiblioteca Central PUCRS
Fontecapes.gov.br / tede2.pucrs.br
ResumoEsta tese realiza uma análise comparativa das medidas políticas desenvolvidas na área da cultura pelos governos brasileiro e mexicano para a promoção das suas indústrias cinematográficas. Toma-se o contexto das mudanças nas relações entre Política, Economia e Cultura no período proposto, a virada dos séculos XX para XXI, quando os modelos liberais do Estado do Bem-Estar se encontram obliterados pelos avanços das tecnologias e do capital internacionalizado, que resultam no crescente e inevitável contato entre as diversas indústrias culturais do planeta. A Economia Política da Comunicação é o recorte teórico-metodológico, advinda do Materialismo Histórico, que direciona o olhar sobre os fatores e atores no jogo de forças entre o laissez faire do mercado e a regulação estatal. Os resultados demonstram que a contínua organização do mercado mexicano de cinema foi eficiente em pressionar os governos por proteção e fomento em situações específicas, mas falhou ao gerar resultados de longo prazo. No caso do Brasil, comprovam que o estímulo ao mercado cinematográfico nacional foi, antes de tudo, uma ação da iniciativa estatal, pautada pelas agendas dos governos, deixando os mercados dependentes e sujeitos à inconstância desse apoio.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



16 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: FELIZARDO, Cristina Kessler

Título: Entre o prazer e o poder: representações do sexo e da sexualidade no cinema produzido no Rio Grande do Sul

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 01.05.2011

AutorFELIZARDO, Cristina Kessler
TítuloEntre o prazer e o poder: representações do sexo e da sexualidade no cinema produzido no Rio Grande do Sul
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
Abragência do estudo1951-2008
GrauMestrado
Data de entrega2011
Data de defesa01.05.2011
Descrição físicav.1; 204 f.; Ilustrado com 78 fotos de filmes.
DisponibilidadeBiblioteca Central PUCRS
Fontecapes.gov.br / tede2.pucrs.br
ResumoCom o objetivo de investigar as representações do sexo e da sexualidade veiculadas, ao longo dos anos, pelo cinema de ficção em longa-metragem produzido no Rio Grande do Sul, o estudo procura mapear algumas das principais estratégias narrativas e estéticas utilizadas para abordar a sexualidade cinemática nesta filmografia. Para tal, realiza um levantamento das obras produzidas desde os primórdios do cinema de longa-metragem no estado até o ano de 2009. Em seguida, propõe uma indexação dos fragmentos fílmicos (cenas/sequências) que contêm representações do ato sexual diegético, cujos conteúdos são analisados levando em consideração aspectos formais e simbólicos, as relações que podem ser estabelecidas entre as obras e, ainda, entre elas e seu contexto histórico-social de produção. As evidências qualitativas confirmam a existência de estratégias de representação do sexo comuns a diversas obras [...] em três fases distintas: uma fase predominantemente elíptica e metafórica, na qual o sexo é mantido restrito às representações extracampo e que corresponde aos filmes anteriores a 1979; uma fase de ruptura radical com o modelo anterior, operada pelos filmes produzidos durante a década de 1980 e que inauguram novas temáticas e representações de maior explicitude imagética; e uma fase híbrida, correspondente às representações predominantes a partir dos anos 1990 e que parecem revisitar, como se operassem uma espécie de síntese, o repertório simbólico relativamente limitado que se consolidara ao longo das décadas precedentes.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



17 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: SOUZA, Fabiano Grandene de

Título: Caio Fernando Abreu e o cinema: o processo de adaptação de Morangos Mofados

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Doutorado

Data de defesa: 18.03.2010

AutorSOUZA, Fabiano Grandene de
TítuloCaio Fernando Abreu e o cinema: o processo de adaptação de Morangos Mofados
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
GrauDoutorado
Data de entrega2010
Data de defesa18.03.2010
Descrição físicav.1; 444 f.
DisponibilidadeBiblioteca Central PUCRS
FilmografiaFilmografia (p.414-434)
Fonteverum.pucrs.br / capes.gov.br / tede.pucrs.br
PublicaçãoSOUZA, Fabiano de. Caio Fernando Abreu e o cinema: o eterno inquilino da sala escura. Porto Alegre, Editora Sulina, 2011.
ResumoA pesquisa se concentra no processo de adaptação de contos de Caio Fernando Abreu para o roteiro de um filme de longa-metragem. Tendo como objetivo a elaboração de um roteiro a partir do livro "Morangos mofados" (ABREU, 1982), a tese segue uma metodologia elaborada em seu percurso: a abordagem da obra do autor sob o ponto de vista cinematográfico, o exame das adaptações de seus escritos para o cinema, e a reflexão sobre filmes com narrativas multifacetadas. Os estudos ancorados na análise de obras literárias e audiovisuais são um preâmbulo para a apresentação do processo criativo, dividido em três instâncias: os primeiros embates com o material a ser adaptado, o roteiro em si, e a reflexão sobre sua criação. "Caio Fernando Abreu e o cinema: o processo de adaptação de Morangos Mofados" mescla teoria e prática, oferecendo um viés particular sobre a questão da transposição da literatura para o cinema, mais especificamente sobre a adaptação de contos para o formato de longa metragem.
ObservaçãoApêndice A: Caderno de imagens (p.435-440)
Apêndice B: escaleta manuscrita (p.441-42)
Apêndice C: Nove canções do roteiro (p.443-44).
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



18 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: BARROS, Eduardo Portanova

Título: O cinema de Ruy Guerra: um imaginário autoral na pós-modernidade

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Doutorado

Data de defesa: 01.07.2009

AutorBARROS, Eduardo Portanova
TítuloO cinema de Ruy Guerra: um imaginário autoral na pós-modernidade
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
GrauDoutorado
Data de entrega2009
Data de defesa01.07.2009
Descrição físicav.1; 377 f.; Ilustrado.
DisponibilidadeBiblioteca Central PUCRS
Fonterepositorio.pucrs.br / capes.gov.br
ResumoO sociólogo Michel Maffesoli caracteriza o pós-moderno como uma sensibilidade alternativa aos valores sustentados pela lógica de cunho racionalista. Isso significa dizer que, hoje, já é possível, com mais clareza, observar aspectos como as emoções, os sentimentos e as intuições de um artista - no caso, o dionisíaco (referente a Dionísio, o deus da tragédia) Rui Guerra - e de seu imaginário (sonhos e desejos). Este é o objetivo da tese: investigar a trajetória como processo autoral de Rui Guerra pelo viés do imaginário na linhagem de Gaston Bachelard, Gilbert Durand e Michel Maffesoli. Focamos um cineasta cujo perfil nos remete ao espírito dionisíaco da desmedida e do insólito, que atuou tanto no Cinema Novo brasileiro dos anos 1960 - uma fase marcada pela ideologia política - quanto no ambiente da hedonista posmodernidade. O que interessa, neste painel, é mostra como se dá o equilíbrio, em Rui Guerra, entre suas pulsões subjetivas e coerções objetivas (Durand). Não se trata de buscar uma resposta rígida na direção de um conceito, e sim procurar uma constelação de fatores. [...] Procuramos refletir sobre uma ideia que, inserida em uma sociedade pós-moderna, antes acolhe do que exclui um cinema instintivamente autoral. Estes filmes, hoje, não teriam, de foma específica, um cenário político ou contestatório como no ambiente da ditadura dos anos 1960. O importante é a expressão do artista dentro de uma lógica contraditorial, cuja relação "eu-outro" fundamenta os aspectos éticos, técnicos e estéticos do fazer cinematográfico.
ObservaçãoAnexos com entrevistas com Maria Cecília Sanchez Teixeira, Danielle Perin Rocha Pitta, José Carlos de Paula Carvalho e Denis Domeneghetti Badia (p.316-366).
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



19 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: HAUSSEN, Luciana Fagundes

Título: Deu pra ti, anos 70 e A festa nunca termina (24 hours party people): juventude, cultura e representação social

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicação Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 01.03.2008

AutorHAUSSEN, Luciana Fagundes
TítuloDeu pra ti, anos 70 e A festa nunca termina (24 hours party people): juventude, cultura e representação social
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica de Porto Alegre - Faculdade de Comunicação Social, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
GrauMestrado
Data de entrega2008
Data de defesa01.03.2008
Descrição físicav.1; 121 f.
DisponibilidadeBiblioteca Central Frei Otão
Fontecapes.gov.br / tede2.pucrs.br
ResumoO presente trabalho é um estudo comparativo dos filmes "A festa nunca termina" (24 hours party people), de Michel Winterbottom (2002) e "Deu pra ti, anos 70", de Nelson Nadotti e Giba Assis Brasil (1981), que narram histórias de jovens em diferentes centros urbanos. O estudo pretende identificar o papel do cinema como representação do social e dos comportamentos e tendências da juventude entre as décadas de 70 e 80. A análise aborda, além do conteúdo dos filmes, as situações sócio-históricas dos distintos locais onde as histórias transcorrem, as condições de produção e o papel dos realizadores. Dentro desta proposta, na perspectiva apresentada pelos Estudos Culturais e pelas intersecções entre a produção cinematográfica e a Comunicação Social, verificam-se as possíveis semelhanças dos cenários sociais e artísticos de Manchester, na Inglaterra, e Porto Alegre, no Brasil, durante o período.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



20 / 22
Selecionar
Imprimir
Clique para ver +

Autor: STIGGER, Helena Maria Antonine

Título: Marcelo: o imaginário burguês de Walter Hugo Khouri - comunicação e psicanálise no cinema

Orientador: Carlos Gerbase

Universidade: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Instituição/Programa: Faculdade de Comunicação Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social

Grau: Mestrado

Data de defesa: 20.12.2007

AutorSTIGGER, Helena Maria Antonine
TítuloMarcelo: o imaginário burguês de Walter Hugo Khouri - comunicação e psicanálise no cinema
OrientadorCarlos Gerbase
UniversidadePontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Comunicação Social, Porto Alegre
Instituição/ProgramaPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Social
GrauMestrado
Data de entrega2007
Data de defesa20.12.2007
Descrição físicav.1; 136 f.
DisponibilidadeBiblioteca Central PUCRS
Fonteverum.pucrs.b / tede2.pucrs.br
ResumoO presente trabalho estuda o personagem Marcelo, a qual aparece na obra sequência do cineasta Walter Hugo Khouri. Através da teoria de indefinição do ser de Cornelius Castoriadis, analisa-se Marcelo como um ser autônomo que evidencia as incoerências da cultura de massa e do movimento de esquerda brasileiro retratados pelo filme As Amarosas. Insatisfeito com as opções de identidade da sociedade a qual ele faz parte, encontra um modo criativo para viver sua transcendência. O propósito do trabalho é evidenciar de que forma Marcelo é paródia da psicanálise freudiana. Nesse sentido serão estudados os conceitos de imaginário institucional, de Castoriadis, as teorias de Sigmund Freud e o contexto dos discursos psicanalíticos com Michel Foucault. Para isso, analisaremos as transformações do personagem ao longo de seus 30 anos de existência e iremos comparar com outros filmes nacionais contemporâneos a Marcelo. Como metodologia, usaremos a análise fílmica de Jacques Aumont, Francis Vanoye e Anne Goliot-Lété.
Acesso eletrônicoONLINE - Clique para acessar

Conteúdo eletrônico



página 1 de 2
ir para página        

Banco de teses sobre Cinema Brasileiro

   
Pesquisar (apenas um termo por linha):
no campo:
 
1     
2   
3